design-thinking
Muitas empresas focam em inovação, tecnologias e processos buscando sobreviver a competitividade do mercado e se destacar entre seus concorrentes. Entretanto, algumas vezes acabam se esquecendo do fator principal que realiza todas essas as atividades: as pessoas.

Logo, o recrutamento e seleção tornam-se altamente estratégico, pois fornece a equipe que pode causar o sucesso ou fracasso da sua empresa. Apesar dessa nova dinâmica, ainda é comum presenciar as organizações mantendo um processo retrógrado e não adequado as suas necessidades de contratação.

O objetivo do recrutamento e seleção é a contratação de profissionais que tenham as habilidades, competências e, na maioria das vezes, as experiências que se encaixe no perfil da empresa. Entretanto, independente de qual seja a organização, o ambiente competitivo exige que você tenha colaboradores que resolvam problemas.

Desse modo, o Design Thinking pode ser justamente a resposta para a evolução do processo seletivo. Imagine que ao invés de provas e entrevistas técnicas, você utilize a metodologia como uma etapa da sua seleção. Os candidatos não irão responder sobre teorias e nem dizer o que fizeram no passado, mas demonstrar no presente como trabalham para encontrar soluções.

Pense na possibilidade! Você terá a oportunidade de “testar” seu futuro colaborador e ainda presenciar suas habilidades comportamentais, como realizar trabalho em equipe, lidar com a pressão e mudanças do mercado. Ainda gera uma oportunidade de “treiná-lo” para a metodologia que será recorrente no seu futuro trabalho.

O Design Thinking como uma etapa do recrutamento e seleção da sua organização proporciona o colaborador adequado ao perfil desejado e, quem sabe, até uma solução inesperada para um problema que sua empresa ou seu cliente tenham.

Texto publicado originalmente no site da Framework em 22/11/2016.