Sing Street é uma homenagem ao rock revolucionário e inovador da década de 80 e 90 em meio a história de um garoto sonhador e apaixonado.

Este filme foi recomendado por amigo com excelente gosto musical, então não poderia deixar de conferir. Gostei muito de acompanhar o inexperiente Conor no seu refúgio na música. Afinal, ser adolescente é passar pela fase de descobertas, escolhas e muita influência musical.

A Trama

Conor é um adolescente que está sendo a crise pessoal e econômica dos pais e precisa estudar em um colégio de padres. A mudança de escola não se torna pior, pois ele conhece Raphina, uma garota que quer ir para Londres ser modelo. Com o desejo de chamar a atenção de Raphina, Conor monta uma banda, Sing Street, com os novos colegas de colégio.

O Roteiro

O filme começa e mantém um ritmo muito bom, mas deixa um final abstrato e que não empolga tanto. Talvez por ter a intenção de seguir a metáfora criada pelo filme sobre barcos. As atuações são ótimas, especialmente do ator Ferdia Walsh-Peelo (Conor) que consegue bem a evolução do personagem.

O protagonista é um sonhador ao melhor estilo dos filmes adolescentes da década de 80. Logo, consegue ser tão carismático que o deslizes do roteiro são esquecidos e o filme se torna uma boa diversão. Outro ponto alto do roteiro é a forma como consegue passar o contexto social e econômico de Dublin na época.

Parte Técnica

Com uma trilha sonora empolgante, o filme apresenta as misturas e influências de grandes bandas da década de 80. Combinando com isto, apresenta também um figurino compatível com as fases de humor/música de Conor. Isto revela homenagens de Davi Bowie a The Cure (<3).  Assim, Sing Street se torna uma ode a juventude da década de 80 e toda a sua rebeldia por meio da música.